8 C
Lisbon
24 de January, 2020
Fito-Tema

Filho de agricultor, agricultor será. Agora, ainda, com mais orgulho

Ser agricultor ou trabalhar na agricultura é cada vez mais um motivo de orgulho. Incluída no tão falado empreendedorismo, esta atividade é cada vez mais vista como um possível negócio de sucesso. Tendo a sua base na família, os jovens empreendedores agricultores mostram uma grande vontade de usar novos processos, seja na produção integrada ou gestão da atividade agrícola. Veja-se o caso de Manuel Maria Grave que foi considerado o Jovem Agricultor do Ano 2018, numa iniciativa da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP). Com 28 anos, este agricultor gere a empresa Gravera, tendo neste momento a decorrer um projeto de investimento para a instalação de um amendoal super intensivo numa exploração com 70 hectares na zona de Portel.

Em Portugal, cerca de 284 mil explorações agrícolas são familiares, universo que representa 93% do total das explorações, 49% da superfície agrícola utilizada e mais de 80% do trabalho agrícola, destaca a Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal.

Com o objetivo de reforçar as potencialidades desta importante modalidade de organização de atividades produtivas, de gestão do ambiente e de suporte da vida social nos espaços rurais, o Governo aprovou recentemente, em Conselho de Ministros, o Estatuto da Pequena Agricultura Familiar. Cerca de 40% do universo total dos agricultores portugueses, isto é, cerca de 100 mil agricultores é quanto o Governo espera que o Estatuto abranja.

E assim, “é dado mais um passo para a valorização das atividades diretamente relacionadas com a agricultura familiar, as quais assumem particular relevância ao nível da produção, emprego, preservação do ambiente e biodiversidade em grande parte do território nacional”, refere o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, em comunicado.

“O Estatuto visa promover e valorizar a produção local e melhorar os respetivos circuitos de comercialização, promover uma agricultura sustentável, incentivando a melhoria dos sistemas e métodos de produção, e contribuir para contrariar a desertificação dos territórios do interior”, acrescenta o Executivo.

De acordo com o Estatuto, está incluído na agricultura familiar alguém com mais de 18 anos, com rendimento inferior ao quarto escalão de IRS (20 a 25 mil euros), que seja detentor de propriedade agrícola, que não receba mais de cinco mil euros anuais da Política Agrícola Comum e cuja exploração não tenha uma mão-de-obra assalariada superior à mão-de-obra familiar”.

Mas simultaneamente existem vários apoios, no âmbito do programa de Desenvolvimento Rural 2020, para jovens agricultores que queiram iniciar-se nesta atividade. Basta ter vontade de trabalhar para depois colher os frutos.

Ver mais informações aqui.

Posts relacionados

ANIPLA subscreve Pacto Ecológico Europeu

ANIPLA

Uma carta de compromisso para uma Agricultura Moderna e Sustentável.

ANIPLA

O Futuro Sustentável da Alimentação

ANIPLA

Deixe um comentário



Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador, personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar tráfego nos websites. Partilhamos informações com os nossos parceiros de redes sociais, de publicidade e de análise, que as podem combinar com outras informações que lhes forneceu ou recolhidas por estes a partir da utilização daqueles serviços. Consente? Mais informações sobre cookies e processamento dos seus dados pessoais, consulte a nossa Politica de Privacidade.

Aceitar Ler mais